terça-feira, agosto 31, 2004

Ser


O que fomos...


e o que somos hoje, porque nos permitiram ser...

porque em nome da autocrática liberdade alheia não suprimiram a nossa liberdade...

porque em vez da supremacia exclusivista do eu (deles) não amputaram a existência do outro (nós)...

e não decidiram por nós e contra nós...



Pelas Crianças



Neste momento em que a pútrida estrumeira dos abortistas lança mais uma miserável campanha, autoproclamada de progressista e humanista, propalando aos Portugueses que a dignidade das Mulheres está em matarem os seus próprios filhos através de métodos seguros e sem os riscos da censura jurídico-penal, aqui fica a referência a um blog que propõe uma atitude para as Crianças, para as que tiveram a oportunidade de nascer e merecem uma das muitas mães que as querem acolher: http://eu-adoptei.weblog.com.pt/.







Eixo Berlim-Paris-Madrid?

Será o novo Eixo Berlim-Paris-Madrid?


Zapatero ratificará con una cena en Madrid su sintonía con Chirac y Schröder
El presidente del Gobierno comunicará a los mandatarios de Francia y Alemania su deseo de que España sea el primer país que ratifique la Constitución Europea


El presidente del Gobierno, José Luis Rodríguez Zapatero, ofrecerá una cena en el Palacio de la Moncloa, el próximo 13 de septiembre, al presidente francés, Jacques Chirac, y al canciller alemán, Gerhard Schröder, según informaron a ABC fuentes gubernamentales.

Será la primera vez que Chirac y Schröder mantengan una reunión tripartita en compañía de Zapatero, aunque ambos tuvieron ya ocasión de conversar con él en París y Berlín, poco después de su llegada al Palacio de la Moncloa, ya que el jefe del Ejecutivo se apresuró a viajar a las capitales francesa y alemana. El giro dado a la política exterior por el Gobierno de Zapatero, situando de nuevo a España en la órbita franco-alemana y en lo que él ha llamado la «vuelta al corazón de Europa», quedará visualizado en esta reunión, que tendrá precisamente un gran contenido europeo.

Desde el entorno del presidente del Gobierno, se subraya que no se trata de la constitución de un eje Berlín-París-Madrid y se recuerda que los mandatarios de Francia y Alemania ya han mantenido reuniones similares con anterioridad con diversos jefes de Gobierno, como el británico, Tony Blair, o lo harán en breve con otros como el ruso, Vladimir Putin; y el polaco, Marek Belk

Constitución europea

Entre los asuntos sobre los que se podría conversar se encuentra la ratificación de la Constitución Europea aprobada en la cumbre comunitaria del pasado mes de junio en Bruselas. Tanto España como Francia someterán el texto a referéndum entre sus respectivas poblaciones, mientras Alemania lo ratificará por vía parlamentaria.

Zapatero está muy interesado en que, si es posible, España sea el primer país que ratifique la Constitución Europea y, tras las consultas a los grupos parlamentarios, la fecha del referéndum podría fijarse en los últimos días de febrero del año próximo o en la primera semana de marzo.

El ministro de Asuntos Exteriores, Miguel Ángel Moratinos, comenzó ya, a finales de julio, las consultas con los partidos políticos con representación parlamentaria, que esperan una modificación de la ley para poder disponer de financiación con la que hacer campaña en la consulta popular.

El otro gran asunto europeo en el horizonte es el debate sobre las perspectivas financieras para el periodo 2007-2013, en el que se pondrá a prueba la solidez de la buena sintonía de Zapatero con Chirac y Schröder, ya que los intereses de Francia y, sobre todo de Alemania, no son precisamente coincidentes con las aspiraciones españolas a que se aumente el presupuesto comunitario para que no peligren los fondos de cohesión.

Antes de esta reunión, Zapatero viajará a Túnez, donde los días 8 y 9, se celebrará una nueva Reunión de Alto Nivel con las autoridades de ese país.

ABC
30/08/2004




segunda-feira, agosto 30, 2004

Espanha "Marca" e "Funciona"


Há muitas campanhas de promoção internacional de certos países que não passam de "marketing" barato. Mostra-se o que se não é ou se não tem. Esconde-se a verdadeira realidade.

Nas campanhas espanholas usam-se repetidamente expressões como "España Marca" ou "Funciona". E parece ser verdade. A Espanha marca e funciona. Basta ver um pequeno exemplo:


Madrid 2012 aprovecha el escaparate de Atenas para lucir su proyecto ante el mundo
La Familia Real y representantes de las tres administraciones, con el Presidente del Gobierno a la cabeza, dieron apoyo y promoción a la candidatura madrileña



El proyecto olímpico madrileño se ha «puesto las pilas» en Atenas. Los responsables políticos y técnicos de Madrid 2012 han aprovechado los 16 días de Juegos Olímpicos para promocionar ante el mundo la candidatura madrileña, y «lucir» un proyecto que ha sido muy bien recibido. Y no han estado solos: al alcalde Alberto Ruiz-Gallardón y sus colaboradores se les han unido absolutamente todos: la Familia Real al completo, la Comunidad Autónoma y el Gobierno de la nación -incluido el presidente del Gobierno, José Luis Rodríguez-Zapatero.

Sus Majestades los Reyes, los Príncipes de Asturias, los Duques de Lugo y los de Palma de Mallorca, todos han estado en Atenas, han pasado por la Casa de España y han ayudado a la promoción de la candidatura olímpica madrileña.

Apoyo estatal

Igual que lo han hecho el presidente Rodríguez-Zapatero -reiterando el «compromiso firme» del Gobierno de España con la candidatura madrileña para 2012-, sus ministros de Educación y Asuntos Exteriores -María Jesús Sansegundo y Miguel Ángel Moratinos- y el consejero de Educación y Deportes de la Comunidad Autónoma, Santiago Fisas.

Además, claro está, de todo el Ayuntamiento: tanto su Gobierno como los grupos de oposición, la jerarquía del Comité Olímpico Español -con su presidente Echeverría y su vicepresidente Iñaki Urdangarín-, y los tres miembros españoles del COI, Doña Pilar de Borbón, Juan Antonio Samaranch junior y Manel Estiarte, que precisamente dejó esta responsabilidad la pasada semana.

Desde la Casa de España

Todos ellos han tomado como campo de operaciones la Casa de España. Desde allí, con una batería de promocionales, carteles, vídeos, maquetas y fotografías, han «vendido» el proyecto olímpico que, sí así lo decide el COI, será una realidad en noviembre de 2011: nueve meses antes del inicio oficial de los primeros Juegos Olímpicos de Madrid.

Por la Casa de España pasaron, el día de su inauguración -en la que estuvo presente la Reina Doña Sofía- 35 miembros del COI. Desde entonces hasta la clausura de los Juegos de Atenas, han pasado por su «sala de hospitalidad» más de la mitad de sus componentes. Todos han visto el proyecto de Madrid.

No improvisar

Esa era la principal meta de la «misión» madrileña en Atenas. Pero la visita también les ha servido para aprender. «Primero, que estos Juegos han sido mucho mejor de lo que se esperaba -señala Manuel Cobo, vicepresidente de Madrid 2012 y vicealcalde de Madrid-.

Segundo, hemos comprobado que es importante no jugárnosla en el último momento». Una lección asimilada: «En Madrid 2012, vamos a tener algunas infraestructuras terminadas con años de antelación».

Acceso fácil para todos

Tanto Manuel Cobo como todos los demás responsables de la candidatura olímpica son conscientes de que la «gran baza» de Madrid es la cercanía. «En Atenas hemos visto cómo la Villa Olímpica estaba alejada de los centros de competición, y eso para los atletas es malo, les supone traslados largos y pérdida de tiempo».

El proyecto Madrid 2012 ofrece algo más que el carril reservado para la familia olímpica, que «por supuesto» -indica Cobo- existirá en la capital, como ha existido en Atenas: en el Anillo Olímpico «tenemos dos líneas de Metro y una estación de Cercanías; serán los Juegos de más fácil acceso también para los espectadores». Y para la prensa: más de 20.000 periodistas se mueven en torno a unos Juegos. En el caso de Madrid, explica, el Anillo y la Villa Olímpica, el centro de prensa y Barajas van a estar a cinco minutos, y el centro de la ciudad, a diez.

«Copiar» a Madrid

El paso por Atenas permitirá aquilatar el proyecto madrileño, que «en sus grandes líneas ya está trazado». Debe ser bueno, a juzgar por cómo algunas de las otras candidaturas han modificado los suyos acercándolos al modelo que se sigue en Madrid. «Por ejemplo -explican fuentes municipales-, Nueva York está concentrando sus equipamientos, que antes estaban dispersos».

Los responsables de Madrid 2012 afrontan el futuro con confianza. Con tanta, que incluso lanzan ideas sobre la ceremonia de inauguración: tomaron buena nota de la que se produjo en Atenas -«fue original»- y estarán muy atentos a Pekín 2008, los Juegos que estarán entre los que ayer acabaron y -si el COI quiere- los de Madrid, y que serán «muy importantes de cara a esos detalles finales».

Contactos

Los contactos de cara a promocionar la candidatura madrileña a los Juegos de 2012 se realizaron «siempre dentro de las normas éticas que fija el COI», explica el vicealcalde Cobo, y principalmente en la Casa de España, pero también los ha habido en el Hotel Hilton, residencia de la «familia olímpica» y en las propias instalaciones deportivas.

El acto cumbre fue el 15 de agosto, cuando el alcalde Alberto Ruiz-Gallardón y la ministra de Educación y Deporte, María Jesús Sansegundo, ofrecieron la presentación oficial de la candidatura madrileña en Atenas. Un acto en el que Madrid 2012 causó «una magnífica impresión en medios de comunicación, dirigentes deportivos y representantes de las ciudades adversarias», según la oficina olímpica de la capital.

Consejos para organizarse

El consejero-delegado de Madrid 2012, Feliciano Mayoral, participó en los últimos días de los Juegos de Atenas en una sesión organizada por el COI para explicar el procedimiento a seguir por las candidatas en caso de ser elegidas. Madrid, París y Nueva York enviaron al encuentro a los máximos representantes de sus candidaturas. Londres, al director ejecutivo. Moscú no acudió.

El principal consejo que recibieron fue que no pierdan ni un día, una vez se designe a la ganadora: siete años pasan muy pronto.

ABC

Aprenda-se com quem sabe!



Defesa do português em Timor


Eis um texto tirado da página www.timorcrocodilovoador.com.br
  Diz respeito ao futuro lingüístico de Timor e é da autoria de um lingüista australiano. É algo longo, mas achei oportuno transcrevê-lo na íntegra pois pode ser de utilidade, especialmente para muitos "intelectuais" que em nome do combate ao colonialismo e de um pseudopopulismo absurdo defendem, por exemplo, que o nosso idioma deixe de ter qualquer existência nos antigos territórios portugueses em África e Ásia.
Se décadas atrás, em nome do combate ao colonialismo, se deixou a esses povos nas mãos de sanguinários ditadores, hoje alguns quereriam repetir a história em forma de culturicídio maciço. O interessante deste texto é que nem só se aplica ao caso de Timor.
............................................................................................


Timor Leste:Identidade, Língua e Política EducacionalProf. Dr. Geoffrey HullUniversidade de Western Sydney (Austrália)
 Excelentíssimo Senhor Presidente do Conselho Nacional da Resistência Timorense; Excelências, Reverendos Padres e Irmãs, Senhoras e Senhores:
Agradeço profundamente a grande honra que me foi concedida ao ser convidado para me dirigir ao Congresso Nacional.
  Quando há um ano quase 80% da população de Timor Leste votou pela independência, o mundo inteiro pôde testemunhar a vossa admirável unidade nacional, unidade essa que manteve a identidade cultural do país durante todo o período da ocupação indonésia. Foi com considerável pesar que os amigos de Timor Leste no estrangeiro se deram conta, após o referendo, que estavam a surgir divergências relativas à futura língua oficial da nação. Este é um problema sério, porque o mais importante símbolo nacional é sem dúvida a língua. As dúvidas acerca da língua oficial envolvem também importantes questões acerca da identidade nacional.
&nbsp Como linguista, que se dedica desde há anos ao estudo e à preservação do património cultural de Timor Leste, sobretudo as suas línguas, a minha contribuição para esta conferência é expor as minhas perspectivas sobre esta problemática. Nesta palestra apresentarei alguns princípios relativos às políticas linguistica e cultural, comparando a situação de Timor Leste com a de outros países. Apresentarei também alguns factos, acontecimentos históricos e fenómenos sociais que em muito contribuiram para a identidade única do povo de Timor Leste.
  Quando, no final da Segunda Guerra Mundial, o colonialismo entrou na sua fase final, cada um dos novos estados teve que encontrar e promover a sua própria identidade nacional. Nos países que compartilhavam a mesma língua, cultura e religião com os seus vizinhos, a procura de uma identidade única era por vezes difícil, como no caso de numerosos países de língua árabe. Em outros casos, sobretudo em África, os novos estados ficaram com as fronteiras outrora criadas pelas potências coloniais. Os estados nascidos destas divisões eram artificiais, pois agrupavam populações de diferentes línguas, tradições e religiões. Uma vez que não existia uma cultura comum, os novos governos viram-se impossibilitados de elevar um dos múltiplos vernáculos ao estatuto de língua nacional, devido ao receio de alienar grupos linguísticos minoritários. Foi por esta razão que a maioria dos estados africanos decidiu manter como língua oficial a língua da sua antiga potência colonizadora-quer o inglês, o francês ou o português. A língua em questão, apesar de ser estrangeira na origem, tinha indubitavelmente a enorme vantagem de ser neutra.
 Pelo contrário, em Timor Leste, quando há vinte e cinco anos o território começou a emergir da sua fase colonial, não foi necessário procurar uma identidade nacional. O país era único do ponto de vista linguístico, com quinze línguas indígenas, a maioria das quais puramente timorense (ou seja não faladas na Indonésia), tendo-se ramificado algumas delas em múltiplos dialectos locais. Além desta poliglossia, grande parte do território estava unificado pelo uso do tétum como língua franca, e as pessoas que tinham ido à escola também falavam o português. Esta poliglossia não impedia que os funcionários da colónia e o clero católico comunicassem com a população, visto que os indígenas que não falavam o português, podiam comunicar através do tétum-Dili (tétum-praça) uma variante de tétum mesclado com o português e por isso facilmente aprendido pelos europeus.
&nbspÉ possível comparar o tétum de Timor Leste com o malaio das Índias Orientais Holandesas. Tal como na parte portuguesa de Timor os falantes de macassae, mambae ou búnaque podiam comunicar entre si usando o tétum, também as populações de Sumatra, Java, Bornéu, Celebes e das outras inúmeras ilhas, estavam unidas pelo uso comun do malaio, que se havia difundido a partir de Sumatra oriental. Dado o grande relevo desta língua na colónia holandesa, quando foi criada a República da Indonésia, o novo governo, apesar de ser dominado pelos javaneses, escolheu o malaio e não o javanês, como língua oficial. Foi com o objectivo de empregar a língua como poderoso instrumento da ideologia nacional que eles mudaram o seu nome para Bahasa Indonesia 'língua Indonésia'.
 Para melhor compreender a situação cultural existente em Timor Leste, é necessário analisar a história recente da Indonésia, porque os acontecimentos nesse país viriam a afectar directamente a antiga colónia portuguesa. Esta influência atingiu o seu apogeu durante a Ocupação (1975-1999), quando o invasor indonésio proibiu em todas as escolas o ensino do português, substituindo-o pelo ensino do indonésio. Os novos programas ensinavam às crianças a cultura e a história indonésias, ignorando por completo a especificidade da cultura e história de Timor Leste. Como seria de esperar, os efeitos da educação indonésia sobre as crianças e adolescentes timorenses iriam levá-los a compreender e interpretar o mundo e o seu próprio país através do prisma indonésio.
&nbspEnquanto o regime do Suharto difundia a sua ideologia nacionalista através do sistema de ensino, o exército indonésio aterrorizava e oprimia a população timorense. Muitos jovens, ainda que produto da educação escolar e universitária suhartiana, foram atraídos para a esfera do movimento de resistência nacional. Estes estudantes, cujas patrióticas e corajosas acções lhes mereceram a admiração do mundo inteiro, deram à luta nacional um poderoso contributo que alguns chegaram a pagar com o seu próprio sangue.
 Infelizmente, quando Timor Leste ganhou a sua independência, cedo surgiu uma importante clivagem entre a velha e a nova geração. Todos os timorenses estavam unidos em relação à fundação do novo estado; divergiam, no entanto, quanto à questão da língua e da cultura.
 Neste momento existem duas perspectivas antagónicas sobre a identidade cultural de Timor Leste, e entre estas existe todo um leque de correntes e pontos de vista. Por um lado, os elementos da velha geração querem que o português seja a única língua oficial, e não prevêem qualquer tipo de estatuto oficial para o tétum ou para os outros vernáculos. No extremo oposto, estão os jovens que querem que apenas e só o tétum seja a língua oficial, manifestando-se deveras apreensivos em relação ao português. Uns argumentam que o português deveria ser utilizado como língua de contacto entre Timor Leste e o mundo, enquanto que outros são da opinião que o inglês tem um valor mais prático que o português. Quanto ao indonésio, existem timorenses dispostos a restabelecer esta língua por ser de grande utilidade na região em que Timor Leste se encontra geograficamente integrado. Outros gostariam de a abolir por completo, em virtude da sua identificação a ocupação de Suharto. Estes conflitos e opiniões divergentes têm vindo a dividir e a exaltar os ânimos da nação.
&nbspComo é que surgiu esta situação? Podemos encontrar as raízes do conflito na dualidade do passado colonial de Timor Leste: por um lado a jovem geração influenciada pelo neo-colonialismo indonésio, e por outro, a geração mais velha que cresceu no âmbito do colonialismo clássico português.
  Antes de mais, devemos considerar os efeitos da ideologia nacionalista indonésia na mente da geração do pós-1975. Mas para fazer isto, é preciso considerar a história recente da Indonésia. Depois de ter ganho a sua independência, o regime de Sukarno aboliu gradualmente a língua holandesa, começando primeiro com o próprio governo e a administração, e finalmente naquelas escolas que até então tinham utilizado a língua holandesa como meio de ensino. A abolição da língua e o incitamento à hostilidade popular contra ela estava em sintonia com a ideologia rigorosamente anti-colonial da nova república.
 Como já vimos, o estatuto do malaio como língua nacional e oficial da Indonésia não era partilhado com qualquer outro vernáculo, nem mesmo o javanês. A Constituição indonésia permitia o ensino parcial dos vernáculos que fossem falados por mais de dois milhões de pessoas. As demais línguas, na sua quase totalidade, não tinham qualquer relevância na educação pública. Na imprensa, o indonésio também era dominante, marginalizando ou até excluindo os vernáculos como o javanês, o balinês, o batak, ou o dawan de Timor Ocidental.
&nbsp Contudo, como o malaio indonésio não era uma língua mundial, a nova nação necessitava de uma segunda língua para comunicar com os outros países. Depois de ter abolido o holandês, as autoridades de Jacarta optaram pelo inglês. Anos mais tarde o regime do presidente Suharto continuaria a promover o inglês como a língua de maior utilidade económica. Por isso, é hoje o inglês, e não o holandês, a língua estrangeira que mais se ensina nas escolas e universidades indonésias.
 A importante ilação que podemos tirar deste processo é que todos aqueles timorenses que hoje propõem que só o tétum seja a língua oficial, os mesmos que pedem a erradicação do português como 'língua colonial', os que não visualizam que haja lugar nas escolas ou nos meios de comunicação para os vernáculos baiqueno, fataluco, mambae ou quémaque etc., os que querem elevar o inglês a língua co-oficial em Timor Leste-tais pessoas, quer compreendam ou não, estão na realidade a tentar impor à nação a mesmíssima fórmula cultural ontem imposta por Jacarta na 'vigésima-sétima província'. Neste programa, que chamarei 'modelo cultural suhartiano', o tétum substitui o indonésio como língua neo-colonial, ao mesmo tempo que recusa o português (paralelismo com o holandês), e marginaliza todos os outros vernáculos que fazem parte do património de Timor Leste (paralelismo com os vernáculos indonésios).
&nbspÉ moralmente inadmissível difamar qualquer nação ou cultura, e a razão pela qual se critica o modelo cultural suhartiano em Timor Leste não é por este ser um produto da Indonésia mas por ser totalmente incompatível com a realidade cultural de Timor Leste, e, como tal, de viabilidade duvidosa. A razão para tal incompatibilidade está relacionada com as grandes diferenças históricas entre a Indonésia e Timor Leste.
  No estudo da história mundial são bem conhecidas as diferenças entre os modelos de colonialismo holandês e português. O que qualquer pessoa pode observar é que o colonialismo português e holandês produziram tendências opostas nas terras por estes colonizadas. Sem querer simplificar este tema tão complexo, é possível afirmar que os holandeses estavam pouco interessados (pelo menos ao nível político) em se misturar com os povos indígenas. Os holandeses tinham pouca motivação para impor a religião calvinista aos seus súbditos. Não fazia parte dos seus projectos obrigar os indígenas a aprender o idioma holandês (na sua vasta colónia os holandeses aprenderam eles mesmos o malaio, e encorajaram o seu uso em todos os sectores). O complemento de tal política aparentemente filomalaia, a exclusão dos indígenas face à cultura holandesa, era apenas uma das estratégias utilizadas pelos holandeses para manterem a sua superioridade racial. Quando os holandeses sairam de vez da Indonésia, a sua influência sobre as línguas e culturas locais era ainda bastante superficial.
  Contrariamente aos holandeses, os portugueses tiveram sempre como objectivo a assimilação das populações por si conquistadas e acrescentadas ao seu império. Em Timor, como nas outras colónias, os casamentos mistos entre as duas raças eram normais. Os portugueses chegaram à ilha de Timor com a finalidade-embora não totalmente realizada durante o período colonial-de converter toda a população ao catolicismo. Embora seja de notar que a conversão não foi forçada (como havia sido em Goa e Malaca), a maioria dos régulos timorenses aceitou o baptismo, recebendo nomes portugueses e títulos aristocráticos. Em muitos reinos a bandeira portuguesa tornou-se um lúlic, guardado e adorado em casas sagradas.
 Como resultado da campanha de difusão da língua portuguesa durante a segunda metade do século XIX, o tétum e os outros vernáculos ficaram impregnados de expressões, vocábulos e estruturas sintáticas portuguesas. Pelo menos duas vezes durante a 'missão civilizadora' de Portugal em Timor Leste, a colónia adquiriu o estatuto de província ultramarina, sendo considerada tal como Lisboa ou Coimbra parte integrante da pátria portuguesa.
&nbsp É muito significativo que, ao passo que o governo de Sukarno era motivado pelo desejo de eliminar todas as interferências culturais holandesas na Indonésia independente, o regime da Fretilin durante 1975, apesar de ser crítico em relação ao colonialismo salazarista, continuou a valorizar a língua portuguesa como elemento ancestral e integrado na cultura nacional de Timor Leste. Mesmo a minoritária Apodeti, que visava a integração com a Indonésia, retinha nos seus estatutos o uso oficial do português.
 Contudo, analisando o impacto do colonialismo português em Timor Leste, convém reconhecer os aspectos negativos assim como os positivos. De certa maneira, o contacto com Portugal renovou e consolidou a cultura timorense, mas não é menos verdade que na vida pública, a administração colonial não deu qualquer relevo ao tétum nem aos outros vernáculos. O português era o único veículo de instrução escolar, e as matérias leccionadas eram sempre lusocêntricas, ignorando por completo a cultura e a história timorense. Portanto não é de estranhar que muitos dos indíviduos escolarizados dentro deste sistema tenham ficado com uma distinta mentalidade colonial que se manifesta quando estes menosprezam o papel das línguas e das institutições indígenas, traduzindo-se também na oposição ao movimento para o uso do tétum como língua oficial. Este programa de assimilação portuguesa pode-se denominar o 'modelo cultural salazarista'.
&nbspEmbora a ocupação indonésia fosse na sua totalidade uma experiência negativa para os timorenses, é inegável que a ocupação foi (mesmo que não intencionalmente) benéfica para o tétum. É provável que se as autoridades indonésias não tivessem banido o uso do português, a Igreja não tivesse feito uso do tétum como língua litúrgica geral. Mas devido à brusca necessidade de celebrar o culto divino em tétum, o clero teve de traduzir o missal romano, bem como partes da Bíblia para criar um leccionário. A necessidade de traduzir todos estes materiais fez com que os religiosos se consciencializassem da beleza e do potencial do tétum como meio literário.
 Uma vez que era preciso traduzir os textos sagrados para uma linguagem digna, os tradutores adoptaram numerosas palavras e expressões do tétum-térik (tétum rural arcaico). Este processo serviu para reduzir o hiato existente entre as duas variedades principais de tétum, e ajudou a converter um simples dialecto numa língua literária. Os leigos que cultivavam o tétum durante a Ocupação desempenharam, eles também, um papel importante no desenvolvimento da língua. Ao mesmo tempo que muitas palavras indonésias entravam no tétum falado, numerosos escritores deliberadamente mantinham a língua livre de qualquer influência indonésia e continuavam a derivar novos vocábulos do português e do tétum-térik.
&nbspAo contrário do previsto e apesar de ser fortemente reprimida pelos indonésios, a língua portuguesa não se extinguiu em Timor. Este facto é significativo pois demonstra que a nível da cultura local, o português não era um elemento estranho como havia sido o holandês na Indonésia, que após a saída dos holandeses desapareceu da maioria dos sectores da sociedade.
 Na realidade convém agrupar as línguas usadas em Timor Leste em duas categorias. Devem-se distinguir as línguas que desde há muito fazem parte da cultura local das línguas que só há pouco tempo foram introduzidas. Na primeira categoria, a das línguas que se podem classificar como verdadeiramente nacionais, estão o tétum, os outros catorze vernáculos e a variedade timorense do português (que tem características próprias e por vezes arcaizantes). Na outra categoria, a das línguas estrangeiras cujo impacto nos vernáculos indígenas não foi tão profundo como foi o do português, estão o inglês e o indonésio.
&nbsp A política que procura a abolição do português em Timor Leste não toma em consideração a força que canalizou a resistência nacional contra o domínio indonésio: o tradicionalismo. Os timorenses são um povo fortemente enraizado na sua terra e nos seus costumes tradicionais. Os seus antepassados submeteram-se ao poder português só porque os europeus não interferiram muito nas instituições nativas e fizeram poucas tentativas de mudar a cultura indígena. Para a maioria dos timorenses, a influência do cristianismo e da língua portuguesa, apesar de ser constante, era indirecta. Pelo contrário, o regime de Suharto tornou-se profundamente odioso para a população em geral por causa do seu desprezo pela cultura timorense e das suas pesadas medidas para eliminar o passado colectivo dos timorenses.
Parece-me que o papel central da língua portuguesa na civilização timorense é completamente inquestionável. Em poucas palavras, se Timor Leste deseja manter uma relação com o seu passado, dever manter o português. Se escolher outra via, um povo com uma longa memória tornar-se-á numa nação de amnésicos, e Timor Leste sofrerá o mesmo destino que todos os países que, voltando as costas ao seu passado, têm privado os seus cidadãos do conhecimento das línguas que desempenharam um papel fulcral na génese da cultura nacional.
 Parece axiomático que o conhecimento do passado duma nação seja uma condição prévia para a construção de um futuro próspero, mas estamos num tempo materialista em que a procura agressiva de poder económico ameaça seriamente as instituições bem como aqueles valores tradicionais que ainda não foram destruídos. É importante que os seres humanos tenham presente que um poder económico que os diminui espiritual, intelectual e culturalmente é na realidade uma forma de tirania.
&nbsp Receio que considerações de carácter materialista tenham inspirado, pelo menos em parte, o súbito movimento em Timor Leste para a promoção do inglês como língua co-oficial. Neste momento parece haver uma certa corrente popular que identifica a língua inglesa como a única chave da tão desejada prosperidade económica. O que me parece que não é tido em conta é a considerável ameaça que o inglês pode representar para a integridade cultural de Timor Leste.
 Ninguém pode negar os benefícios para Timor Leste inerentes à adopção do inglês como segunda língua. No mundo de hoje o inglês está estabelecido como língua internacional e é o meio preferido da tecnologia moderna. Também não se pode ignorar a importância do inglês como veículo de uma magnífica literatura e de uma civilização cosmopolita.
&nbspEu não prevejo qualquer problema se o novo governo de Timor Leste decidir promover o inglês como segunda língua, sem qualquer estatuto oficial, tal como é a prática corrente na Indonésia, Portugal, Japão e em muitos outro países. Assim contido, não é provavel que o inglês se encontre em em posição de ameaçar a cultural tradicional de Timor. Se por outro lado, os líderes timorenses cometerem o erro de pôr o inglês no lugar do português, as consequências que daí resultarão terão sem dúvida graves implicações para o futuro do país.
 Os linguistas referem-se frequentemente à língua inglesa como uma língua 'assassina', uma língua imperialista, que na história mundial tem mais do que qualquer outra, a triste fama de levar outras línguas à extinção. (Este carácter linguicida do idioma de Shakespeare não tem nada a ver com a sua estrutura interna; é sim um produto das culturas de que o inglês tem sido o veículo). Nos tempos modernos, a identificação do inglês com a superioridade tecnológica dá-lhe uma decisiva e injusta vantagem em relação às outras línguas que são veículos de culturas tecnologicamente menos sofisticadas.
 O prestígio da língua inglesa é responsável pela arrogância, geralmente não intencional, que tende a caracterizar os anglófonos, sobretudo quando estes entram em contacto com outras línguas e culturas. Nos países em que domina o inglês, a ideia de que esta língua é o meio 'normal' ou 'preferível' para o ensino escolar, para o rádio, a televisão, os vídeos, os jornais, as revistas e para a produção literária pode facilmente levar à conclusão que as outras línguas são menos adequadas aos tempos modernos, e por isso devem ser substituídas pelo inglês. Este problema é particularmente preocupante nos países em que o idioma inglês coexiste com uma ou mais línguas indígenas.
&nbspQuando os falantes de línguas minoritárias e do Terceiro Mundo se tornam infectados com este complexo de inferioridade, os resultados tendem a ser desastrosos. As populações afectadas tendem a ficar envergonhadas com as suas línguas maternas, e existe nelas a grande tentação de não transmitirem aos seus descendentes o que consideram ser 'desnecessárias relíquias do passado', símbolos e costumes 'atrasados', sobretudo quando, para cúmulo, o seu uso é desencorajado pelo estado. As vítimas deste processo de atrofia cultural são numerosas, sobretudo nos Estados Unidos e na Austrália. A maioria das línguas indígenas, fora das Reservas Indias, já desapareceu nos Estados Unidos. Das 250 línguas aborígenes faladas na Austrália quando os ingleses invadiram em 1788, apenas 100 sobrevivem hoje, e muitas destas encontram-se à beira da extinção.
 As vítimas da língua inglesa não estão confinadas a áreas do Novo Mundo inundadas pela imigração branca. Nas Ilhas Británicas das cinco línguas célticas modernas, duas, o córnico da Cornualha e o manês da Ilha de Man, já desapareceram. No País de Gales o idioma galês está a lutar para sobreviver, e as perspectivas para o gaélico são desfavoráveis, não só na Escócia nas também na Irlanda independente, onde as tentativas do estado para desfazer a anglicização têm sido em grande parte frustradas. O dialecto francês das Ilhas Anglo-Normandas já desapareceu em certas ilhas e está moribundo em outras, apesar da proximidade da França.
&nbspVoltando agora para o caso da língua oficial portuguesa em Timor Leste, podemos ver a aparência de uma imediata vantagem para o tétum e para outros vernáculos no português ter um prestígio menor do que tem o inglês. Este facto faz com que o português não vá constituir uma ameaça para a ordem linguística tradicional. No entanto, contrariamente a isso, nos países em que o português é a língua oficial, poucos foram os vernáculos que desapareceram por causa do prestígio do português. Por vários factores de ordem histórico-cultural, a língua portuguesa tem-se mostrado mais capaz de se harmonizar com as línguas indígenas que o inglês.
 Para Timor Leste, o português tem também a vantagem de que o tétum (língua franca) não seja formalmente muito afastado do português na sua pronúncia, gramática e vocabulário. O português não é um idioma demasiado difícil para os timorenses pois estes já possuem um relativo conhecimento passivo do português devido ao facto de que já falam o tétum-Dili. O mesmo já não se poderia dizer da relação entre o tétum e o inglês. Mesmo quando os timorenses (que pelo facto de serem poliglotas são naturalmente bons linguistas) aprendem a falar fluentemente em inglês, a qualidade do seu inglês-sobretudo em relação à pronúncia e à gramática-tende a ser notavelmente inferior em relação ao seu português.
&nbspParece claro que o tétum seria um parceiro muito inferior e ameaçado num eventual binómio com o inglês. As perspectivas para a sobrevivência e o desenvolvimento do tétum são mais animadoras num contexto de relação contínua com o português, que é a sua fonte tradicional para a ampliação e a renovação do léxico.
 Porém não se pode deixar de mencionar que a preferência pelo português como língua co-oficial de Timor Leste não é apenas relativa a factores culturais e ecológicos. O português em si é um idioma de importante relevo no mundo moderno. Tal como o inglês, o português é uma língua internacional com (incluindo os seus dialectos) mais de 180 millhões de falantes na Europa (Portugal e Galiza), África, Brasil, e três pequenas áreas da Ásia (Goa, Macau e Malaca), bem como em Timor Leste. Apesar de não ser usada internacionalmente como língua franca, como o inglês, o português é mais falado no mundo do que o russo, o japonês, o alemão, o francês ou o javanês.
&nbspA distância que separa os outros países de língua oficial portuguesa de Timor não constitui por si qualquer problema na idade do avião sónico e das comunicações electrónicas. E tanto mais que a Lusofonia, ou comunidade dos países de língua oficial portuguesa, irá ligar Timor Leste com uma comunidade mundial, proporcionando vantagens sociais e culturais e benefícios materiais.
 Na esfera económica, o português também deve ser visto como uma porta de abertura. A maioria dos anglófonos, por motivos culturais, fazem-se notar pelo seu mau domínio de outras idiomas, um defeito também devido ao facto de que, na sua evolução histórica, a língua inglesa se afastou muito não só das demais línguas germânicas, mas também das línguas neolatinas pelas quais foi influenciada. Enquanto que o inglês é importante para Timor Leste pelo seu valor intrínseco, o português também tem uma utilidade indiscutível por ser intimamente ligado a três outras línguas neolatinas: o espanhol, o italiano e o francês.
&nbspEstas línguas (sobretudo o espanhol e o francês) têm uma grande importância no mundo do comércio, e os timorenses que aprendam a falar estas línguas, usando o português como trampolim, vão automaticamente aumentar as suas possibilidades de emprego. Poderão encontrar trabalho em vários sectores, como os do comércio ou da diplomacia, mas sobretudo na indústria turística. Se o novo governo decidir desenvolver o ecoturismo como principal indústria nacional, os futuros candidatos para este importante sector vão sem dúvida necessitar da fluência em línguas estrangeiras para satisfazer as necessidades dos visitantes estrangeiros.
  O novo governo deveria pois dar prioridade à criação de um instituto de ensino de línguas estrangeiras, para efeitos vocacionais, em particular cursos intensivos de espanhol, francês e italiano para estudantes que já sejam fluentes em português. Cursos de alemão, russo, mandarim e japonês poderiam complementar os programas de línguas neolatinas e de inglês.
Necessidades de ordem prática vão obrigar a nova nação de Timor Leste a continuar utilizando a língua falada pela maioria dos seus vizinhos: o indonésio. É claro que esta língua, cujo impacto na sociedade timorense ainda é bastante recente e superficial,1 não merece estatuto oficial (considerações políticas aparte). Contudo, os timorenses que comerciem com a Indonésia e a Malásia, assim como os que vão trabalhar ou estudar nestes países, precisarão dum bom conhecimento do malaio-indonésio.
 O novo governo deve portanto reconhecer o grande valor, em termos de recursos humanos, dos jovens malaiófonos. Estes cidadãos devem ser encorajados a fazer o seu contributo para o processo de construção da nação: os timorenses que falam a língua indonésia podem desempenhar um papel de relevo no comércio e na diplomacia de Timor Leste com a região da Ásia do Sudeste.
&nbsp É bem conhecida fora de Timor a reacção negativa à restauração da língua portuguesa, que tem sido interpretada como uma ameaça pessoal aos jovens que foram educados nas escolas indonésias. Entre estes há um medo generalizado que não sejam capazes de competir no meio social com outros timorenses que dominam bem o português. O seu medo de se tornarem cidadãos de segunda classe, impossibilitados de obterem bons empregos e outros cargos, é perfeitamente compreensível.
 Este problema em si mesmo é bastante sério. Contudo, é preciso afirmar que no processo de reconstrução, todos os cidadãos devem fazer sacrifícios de vária ordem. Se na realidade o português é parte integrante da cultura nacional, a juventude deve fazer um esforço colectivo para aprender ou reaprender esta língua. Na mesma medida, a geração mais velha tem o dever de fazer todas as concessões necessárias para não alienar os jovens ainda não lusófonos, por exemplo utilizar o tétum em encontros públicos quando haja pessoas que não falam o português. Além do mais, toda a documentação escrita moderna em português deve ser traduzida em tétum para ser acessível a todos.
&nbspCom a ajuda de Portugal e dos outros países lusofonos, o governo poderia criar cursos de recuperação de português para todos os adultos que tenham já completado a sua escolaridade. Cursos similares deveriam ser estabelecidos e tornados obrigatórios em universidades estrangeiras não- lusófonas, onde estudem ou sejam mandados estudantes timorenses, como na Austrália, na Nova Zelândia ou no Havai. Recomendo além disso que o novo governo consiga arranjar fundos adequados para a publicação rápida de dicionários, modernos e de fácil uso, de tétum-português e de português-tétum, e que estes sejam distribuídos gratuitamente por toda a camada juvenil que deles venha a necessitar.
 É também oportuno recomendar a todos os indivíduos que venham a Timor como professores de português que façam o esforço de aprender o tétum. Tal gesto de respeito pela língua partilhada pela maioria da população, iria comprovar a todos que o trabalho de restauração da língua portuguesa em Timor Leste não tem qualquer agenda neocolonialista.
Apreciando, tal como eu, a importância da língua portuguesa como parceiro natural do tétum em Timor Leste, é do meu desejo que o novo governo venha a implementar todas as medidas acima referidas, bem como a de proporcionar todas as oportunidades de trabalho aos jovens, independentemente da fluência do seu português. A decisão de restabelecer o uso corrente do português exige uma grande sensibilidade e generosidade da geração mais velha, e o dever patriótico de aprender o português deveria ser apresentado como um convite a adquirir um recurso benéfico para todos os timorenses, não apenas para uma elite. Se, por outro lado, a restauração do português for feita de maneira coerciva, os defensores da língua portuguesa vão correr o risco de destruir esse programa de reaprendizagem e de a alienar a nova geração contra um elemento integral do seu património.
&nbspSe, até este momento, eu tenho estado a falar sobre a importância do português, do inglês e do indonésio, é porque uma nação pequena como Timor Leste necessita de ter uma ou mais línguas supra-regionais e internacionais, se assim deseja sobreviver no mundo moderno. Apesar de a língua portuguesa se ter naturalizado, através dos séculos, como uma das línguas de Timor, apesar do indonésio e do inglês se tornarem segundas línguas, a língua que a maioria dos timorenses utiliza no seu dia-à-dia não é o português, o indonésio ou o inglês.
 No território de Timor Leste, o tétum e os outros vernáculos desempenham um papel ainda mais importante que o português, o inglês ou o indonésio. Como língua nacional, o tétum necessita que lhe seja dado um largo espaço na sociedade. Deve pois ser utilizado em todas as escolas, nas igrejas, na administração, nos negócios, na imprensa, na televisão e no teatro. Ao tétum deverá ser dada prioridade em todas as esferas da vida nacional e será preciso limitar o emprego do português e das duas outras segundas línguas a áreas onde o tétum não possa ser utilizado, por exemplo em presença de visitantes estrangeiros e quando o tétum careça dos necessários recursos.
&nbspO governo deve dar um importante apoio à língua nacional em todos os domínios e encorajar activamente todos os cidadãos para que a utilizem com confiança. Convém também patrocinar o desenvolvimento do tétum como uma língua moderna, aprovando para isso um sistema ortográfico apropriado, publicando dicionários e gramáticas. Os escritores em tétum devem ser acarinhados e incentivados. Seria oportuno estabelecer, o mais rápido possível, uma editora nacional para possibilitar a publicação de livros em tétum e em outros vernáculos, vendidos a um preço acessível aos leitores. Importante é também a criação de uma fundação nacional que encoraje a recolha e a preservação da literatural oral, arte, tecelagem, arquitectura, música, canto, e danças.
  Se a língua nacional for promovida através das medidas acima referidas, ninguém vai poder voltar a afirmar que o tétum é um dialecto primitivo e sem função, incapaz de estar ao mesmo nível que o português e outras línguas modernas.
 Admitido que Timor Leste precisa de uma língua co-oficial, e que o melhor candidato é o português; incumbirá todavia ao novo governo regulamentar e controlar o uso do português por todo o país. Se não se aplicar uma forte política de tutela e promoção do tétum, a língua co-oficial poderia penetrar áreas da vida social e cultural que pertencem própriamente à língua nacional. Tal reafirmação exagerada do português é um perigo real que exige uma constante atenção por parte do estado.
 Em muitos países bilingues, por exemplo as Filipinas, Fiji, Irlanda ou Malta, a língua não indígena (nestes casos o inglês) prevalece na vida pública. Esta situação resulta do facto de os governos não terem produzido legislação suficiente para promover o desenvolvimento da língua nacional e obrigar os cidadãos e os residentes estrangeiros a utilizarem-na nas altas esferas. O mesmo poderia acontecer em Timor Leste se o futuro governo a tomar posse não conseguir criar uma política linguistica adequada à protecção da identidade nacional. Se os estrangeiros residentes em Timor Leste se habituarem a comunicar na sua própria língua com os locais, certamente que não farão o mínimo esforço para aprender o tétum. Se esta prática se generalizar, levaria a uma rápida dominação cultural, como a que havia no período colonial.
&nbsp Timor Leste deveria seguir o exemplo de outros governos que conseguiram com sucesso introduzir legislação para a promoção de (outrora fracas) línguas nacionais, como por exemplo a Eslováquia. O governo poderia por exemplo obrigar todas as companhias estrangeiras a pôr etiquetas, em todos os seus produtos, em tétum e em português. Poderia exigir a tradução de toda a documentação comercial em Timor Leste, e proibir a publicidade pública em inglês. O uso da legendagem em tétum, em todos os programas de televisão e de cinema que não sejam em português, deveria se tornar obrigatória. Estas medidas não só viriam a gerar fonte de receitas mas também criariam numerosas oportunidades de trabalho para os tradutores timorenses.
A constituição nacional deveria também garantir a tutela de todos os vernáculos de Timor Leste além do tétum oficial. Deve ser evitada a todo o custo uma política que ignore, ou pior ainda, que reprima a diversidade linguística, como fazem tipicamente os governos fascistas influenciados pela filosofia jacobina saída da Revolução Francesa. Uma forte constituição nacional deve reconhecer com orgulho que a diversidade linguística de Timor Leste, longe de ser um factor de desunião, é um tesouro nacional que merece ser cultivado, bem como uma poderosa fonte de recursos humanos que vale a pena cultivar. Numa época em que o respeito pelo ambiente natural é tido como um valor universal, convém extender o zelo da conservação à diversidade linguística, evitando-se que a nação fique mais pobre pela perda de qualquer uma das suas línguas antigas.
 Por entre as línguas a serem protegidas pelo estado, a duas delas, o baiqueno e o fataluco, deve ser acordado estatuto especial como vernáculos de regiões onde o tétum não é universalmente falado. Em vista dos conhecidos problemas de comunicação nestas duas zonas, sobretudo no enclave de Ambeno, é preciso dar prioridade, em termos de recursos linguísticos, às línguas baiqueno e fataluco.
&nbsp Os mesmos recursos serão produzidos a longo prazo para todas as demais línguas e dialectos. Linguistas apoiados pelo estado poderão produzir dicionários, gramáticas e livros de leituras para cada vernáculo. Contudo, para infundir nos próprios falantes confiança na capacidade literária das suas línguas, precisará que elas sejam ensinadas nas escolas.
Na recta final desta minha apresentação, falarei brevemente sobre a difícil temática do ensino dos vernáculos nas escolas. A resolução da UNESCO de 1953 sobre a educação primária argumentava que: "O melhor meio para ensinar é através da língua materna do aluno". Em países bilingues, a alfabetização consiste em ensinar às crianças em primeiro lugar a ler e escrever a língua materna. Depois, nas classes superioras da escola primária, principia o estudo da segunda língua.
 Infelizmente existe um grande obstáculo para uma democrática implementação de tal método de alfabetização nas escolas primárias: a falta de um adequado programa de estudos em tétum. Outro importante obstáculo é a poliglossia: na maioria dos distritos, quando principia a instrução primária, as crianças de tenra idade ainda não falam o tétum. Para compensar tamanha lacuna seria necessário criar simples materiais pedagógicos na língua materna que, à excepção de algumas cartilhas e livros de contos em tétum, não existem.
&nbspMesmo com o apoio do governo, vai demorar bastante até que os linguistas, colaborando com os educadores, produzam um programa de estudos integral em tétum, já para não falar nas outras línguas. Entretanto, a menos que o novo estado deseje que os professores primários sigam ensinando por meio do indonésio nas escolas, a única opção-dada a falta de recursos pegagógicos em tétum-é a de ensinar as crianças (e os adultos) através de material pedagógico português, que é abundante e de óptima qualidade. Seria oportuno, como medida provisória, incluir algumas lições de leitura e de escrita em tétum no contexto do programa português. Em zonas onde as crianças não compreendem o tétum, boa parte do ensino poderia ser ministrada através da via oral.
 Em relação ao eventual ensino primário baseado na língua materna, os vernáculos deveriam ser utilizados desde a primeira classe, mas desde a terceira classe o tétum deveria tornar-se o principal veículo de leitura e de escrita, e de ensino geral. Quando os textos escolares se encontrem disponíveis, a maioria das matérias-gramática, história, geografia, matemática, ciências naturais, doutrina cristã-devem ser leccionadas, nos anos posteriores ao ensino primário, em tétum. Porém a partir da terceira classe, o ensino do português deve ser introduzido, e ensinado pelo seu próprio meio, não através do tétum.
&nbspOs programas da escola secundária não necessitam de tanto planeamento linguístico, dado que todas as disciplinas excepto a gramática tétum e a literatura tétum, serão leccionadas em português. A partir do primeiro ano do ciclo secundário, o inglês e o indonésio deveriam ser matérias obrigatórias. Os que tenham maior propensão para as línguas poderiam também estudar mais uma língua estrangeira, por exemplo o francês, o espanhol, o italiano, o alemão ou o japonês.
 Quanto ao ensino universitário, recomendo como meios de ensino o português e o inglês. Contudo o governo deveria criar um departamento de tétum e um instituto de linguística timorense para promover os estudos e as pesquisas científicas nestes campos. Estes dois departamentos tornar-se-iam centros de recursos e de apoio para professores e especialistas de pedagogia.
&nbspNo programa linguístico que acabo de descrever, existe espaço para todas as línguas que fazem parte da cultura de Timor Leste. Um programa linguístico inclusivo é o único remédio contra tendências políticas culturalmente contraproducentes que pretendem excluir uma ou outra língua. O que de verdade me parece importante é estabelecer as prioridades justas, baseadas em factos culturais, prioridades estas que estão voltadas para o futuro mas que também não se esquecem do passado.
  Estas são as minhas reflexões e agora vos deixo, senhoras e senhores, para que debatam os princípios, factos e cenários por mim apresentados. Com a ajuda de Deus Todo Poderoso e dos Mártires de Timor Leste, estou confiante que Vossas Excelências vão encontrar maneira de renovar e de enriquecer a cultura da vossa tão amada pátria. Texto original em tétum

A polícia espanhola insulta o independentismo galego

Amparando-se no relativo anonimato que oferece a Internet, membros da Guardia Civil espanhola (polícia militarizada) visitam páginas ligadas ao independentismo galego (veja-se Galiza Livre), e não só, para desqualificar este movimento social com presença crescente no país.


E quando falo de "anonimato relativo", digo bem, porque nem sempre existe um anonimato absoluto na interet. Um dos mecanismos para saber quem é quem na rede é o número IP, que identifica cada computador conectado na rede. Na actualidade existem multiplicidade de métidos para averiguar donde procede cada IP, e isso é o que aconteceu aos protagonistas da nossa história, que emitiu a seguinte mensagem em La Haine:

"NAZIONALISTAS EN SANTIAGO (Fdo: CAMPEADOR)


MENOS MAL, QUE EL AYUNTAMIENTO DE SANTIAGO TUVO LA GENIAL IDEA DE CERRAR LA CAUSA ENCANTADA, NIDO DE SEPARATISTAS TRASNOCHADOS Y GUARROS QUE NO DAN GOLPE NI RESPETAN LA SOBERANÍA DEL PUEBLO MAYORITARIO DE LA CIUDAD QUE SE RECONOCEN COMO GALLEGOS Y ESPAÑOLES, SI ESTA GENTE NO ESTA CONFORME EN GALICIA QUE SE VAYAN A SU AÑORADO PORTUGAL, A HABLAR EN SU IDIOMA PORQUE EN GALICIA NO LOS ENTIENDE NADIE.-VIVA GALICIA-VIVA ESPAÑA.-
"

Graças ao número IP, muitos trampões são colhidos no alho nos fórums da internet. Isso mesmo lhe passou ao picoleto que assinou como 'Campeador' (alcunho do Cide, herói da 'pátria' para a mitologia espanholista). Este laretas escreveu desde um ordenador com IP 194.179.107.29. Não procederei a explicar o que significa cada grupo de números, porque também não importa demasiado. Utilizando uma simples utilidade de escaneio de IP qualquer utilizador com poucos conhecimentos pode obter alguns dados. Eu utilizei uma utilidade espanhola (que, aliás, corre bem e é rápida) que me ofereceu os seguintes resultados:


Más información de 194.179.107.29 ...
DNS resuelta: 194.179.107.29Rango de ip: 194.179.107.0 - 194.179.107.191Nombre clave: DGGCDominio ISP: telefonica-data.com
Datos geográficos Ciudad o Localidad: MADRID Estado o Provincia: MADRID (region) España


O nome clave "DGGC" corresponde-se com "Dirección General de la Guardia Civil". O seu servidor central está em Madrid, mas o utlizador pôde enviar a mensagem desde qualquer PC conectado à sua rede (que, como é evidente, estão por todo o "territorio nacional". Assim que, se bem o colega 'Campeador' pôde ter escrito desde um lugar diferente de Madrid, do que não há dúvida é de que se trata dum membro das "fuerzas de seguridad del Estado". E assim é como nos vêm aos cidadãos que não compartimos o projecto nacionalista espanhol.



Nota: o colectivo social 'Causa Encantada' não tem, como diz 'Campeador', uma afinidade do 100% (talvez muito menos) com o independentismo galego. Há independentistas, mas nem todos.


Para saber mais: Un guardia civil publica en La Haine un comentario llamando "nido de separatistas y guarros" a la plataforma gallega Causa Encantada.

Causa Encantada


domingo, agosto 29, 2004

Latino Coelho




Num dia como hoje, 29 de Agosto de 1891, morreu José Maria Latino Coelho, um dos mais brilhantes homens do seus tempo, como escritor, oficial do exército, professor, político e historiador.




General de brigada do estado-maior de engenharia, ministro da. marinha, sócio efectivo e secretario perpetuo da Academia Real das Ciências de Lisboa, lente na Escola Politécnica, vogal do Conselho Geral de Instrução Publica, deputado, par do reino, jornalista, escritor, etc.

N. em Lisboa a 29 de Novembro de 1825, fal. em Sintra a 29 de Agosto de 1891. Era filho de João Alberto Coelho, que faleceu sendo tenente-coronel de artilharia, e de D. Maria Henriqueta Latino Martins de Faria Coelho.

Seu pai, pelas suas ideias liberais, emigrou para Espanha, e só em 1834 é que se estabeleceu em Lisboa novamente, podendo então dedicar-se à educação de seu filho. Latino Coelho estudou francês, inglês e rudimentos de Matemática e das ciências exactas. Em 1837 começou a estudar latim no Liceu Nacional de Lisboa, em 1838 estudou Lógica, saindo sempre distinto nos seus exames. Naquele mesmo ando estudou a língua grega, e tendo concluído os preparatórios, matriculou-se aos 13 anos no primeiro ano da Escola Politécnica, em que obteve o primeiro premio em 9 aulas, sendo 11 as diferentes disciplinas que estavam distribuídas por 4 anos. Da Escola Politécnica passou à do Exercito a seguir o curso de engenharia militar. Assentou praça em infantaria n.º 16 a 14 de Novembro de 1843, sendo pouco depois nomeado alferes aluno do mesmo regimento; foi promovido a alferes em 12 de Dezembro de 1848, a tenente a 14 de Julho de 1851, passando à arma de engenharia, a capitão em 10 de Agosto de 1864, a major a 30 de Janeiro de 1872, a tenente-coronel em 6 de Maio de 1874, a coronel em 29 de Maio de 1878, a general de brigada em 19 de Setembro de 1888. Continuando os estudos na Escola do Exercito, obteve três prémios e habilitou-se com distinção para a carreira de engenharia. Em 1851, depois dum concurso brilhantíssimo foi nomeado a lente substituto da cadeira de mineralogia e geologia na Escola Politécnica. Concluiu os estudos na Escola do Exercito quando rebentava. a revolução popular, que em 1847 terminou pelo protocolo e pela intervenção das três nações estrangeiras, França, Espanha e Inglaterra, segundo o tratado da quádrupla aliança. Entrando na política, filiado no partido regenerador, foi eleito deputado por Lisboa, nas eleições suplementares de 1854. Só dois meses depois de frequentar a câmara, é que fez o seu primeiro discurso, no dia 28 de Março de 1855, discurso a que toda a imprensa teceu os maiores elogios. 0 diploma de deputado era a honra dada ao mérito e ao estudo, porque já nessa época, Latino Coelho se tornara distinto como jornalista, carreira que encetara em 1849. Tornou a ser deputado pelos Açores nas gerais de 1856 a 1860. Foi na Revolução de Setembro que se estreou escrevendo uma série de artigos sobre as questões que agitavam então a Europa, e outras sobre diferentes fases por que passava a ideia democrática, que já, por todas as partes lutava com a reacção. Entrando activamente a colaborar na Revolução, começou a combater o governo, e durante muitos meses foi também redactor principal dum jornal da sua politica, A Emancipação. Em 1851 fundou a Semana, jornal literário que se publicava semanalmente, colaborado pelos primeiros escritores da época, em cuja redacção Latino Coelho teve parte importante. Os seus melhores artigos de então foram os fac-similes de diferentes homens eminentes nas letras. Já anteriormente escrevera muitos artigos biográficos de nacionais e estrangeiros, e uma colecção de tipos nacionais na Revista Peninsular. No ano de 1852 publicou-se uma memória de D. Sinibaldo de Más, antigo embaixador de Espanha no império da China, em favor da união pacífica de Espanha e Portugal, e o prólogo dessa obra era assinado por Latino Coelho. Em 1853, no Portugal Artistico, escreveu a maior parte dos artigos que acompanham as gravuras em grande formato, sendo escritos em francês e em português. No Panorama publicou uma minuciosa e extensa biografia do visconde de Almeida Garrett. Colaborou também na Epoca, Pharol, Civilisação Popular, Discussão, Politica Liberal, Jornal do Commercio, de que foi algum tempo redactor principal, Democracia, distinguindo-se sempre pela elegância e pureza do seu estilo, e pelo vigor e correcção com que discutia os assuntos sujeitos ao seu exame. Tinha grande predilecção pelas línguas estrangeiras. Escreveu em espanhol a biografia de Almeida Garrett, que foi publicada na Revista Peninsular. Era raro o jornal literário importante que não tivesse colaboração sua. Para uso dos alunos da Escola Politécnica publicou um Curso Elementar de Historia Natural. Foi director do Diario de Lisboa por ocasião da nova organização dada em 1859 àquela folha oficial do governo. No Século escreveu por muito tempo o artigo editorial, no jornal que se publicava nos domingos. A Academia Real das Ciências nomeou-o seu sócio efectivo, e pouco tempo depois foi por votação unânime nomeado em 1856 secretário da mesma academia, ficando depois considerado secretário perpétuo. A Academia incumbiu-o de dirigir o Diccionario da lingua portugueza, conforme os subsídios de Ramalho, legados a Alexandre Herculano, e vendidos pelo falecido historiador àquela corporação. Latino Coelho foi par do reino, e ministro da marinha desde Julho de 1868 até Agosto de 1869. Exerceu diversas comissões, como a encarregada da reforma da Academia das Belas Artes de Lisboa, e o encargo de escrever, oficialmente uma Historia do cerco do Porto em 1832. Latino Coelho, entrando na política, filiara-se no partido da Regeneração, agremiação politica que se tornou um grande beneficio para o país, principalmente por acabar de vez com a intolerância arvorada em forma de governo, e por abrir uma época de paz, condição primária de toda a civilização e progresso, mas no momento em que o país soltou um brado de reprovação geral dos seus erros, abandonou esse partido, e aspirando à realização dum ideal mais perfeito, adquiriu a persuasão de que a forma de governo republicano dava mais seguras garantias ao direito do cidadão, nas suas múltiplas manifestações, filiou-se nesse partido com sinceridade e fé patriótica. Comparecia nas assembleias políticas, quando o partido reclamava o auxilio do seu saber e da sua experiência, usando da palavra com toda a correcção e dignidade, criticando, castigando, demolindo, sem perder a linha austera e nobre, que era uma das feições dominantes do seu carácter. Foi por isso que obteve o respeito e as atenções de todos os partidos, e que, dentro da monarquia que ele combateu, contava verdadeiras afeições, porque se fazia justiça à sua sinceridade. Latino Coelho era comendador da ordem de Cristo, grã-cruz da Torre e Espada e de N. Sr.ª da Conceição.

(Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume IV, págs. 83-85. )



Iberismo em Latino Coelho

Sobre o Iberismo em Latino Coelho, leiam-se os seguintes textos, de María Monteiro:



LA IDEA DE IBERIA

La patria ibérica

En lo que toca al problema de la Península Ibérica, su proyeto cuadra en el marco de los mismos princípios federativos que defiende para la Europa. En ello cabe la idea de patria ibérica que subyace en sus escritos sobre la Unión Ibérica, y a la cual pretende conferir una validez irrefutable apoyándose en un argumento de orden divino:"(...)En Europa hay trozos de terreno que la geografía de los hombres divide en pequeñas naciones, y que la geografía de Dios destinó para un sólo pueblo.(...)" .

Sín embargo, no dudamos que el argumento religioso sirve de protección contra una acusación de anti-patriotismo. Se vivían tiempos de gran agitación política y mejor sería prevenir. De igual modo, el recurso a la identidad geográfica como obra de la Naturaleza ( luego, superior, de orden divina), fundamenta una crítica sutil a las fronteras políticas creadas por el hombre, que, en su afán de poder, contraría ese logos superior. Tal sería el caso de la Península Ibérica y de los dos países en causa.

Entresacada de los fundamentos de unidad geográfica, de una primordial unidad histórica y de la unidad cultural que reclama para los pueblos ibéricos, la idea de una patria ibérica cabe igualmente en su concepción teleológica y providencialista de la Historia, de la civilización moral, justificando que, tal como esta tiene una dinámica propia, también la noción de patria sufre modificaciones mientras las relaciones entre los pueblos se van alterando – a veces desde una vecindad rival y sospechosa, hasta el camino hacia una civilización que el autor preve cada vez más cosmopolita.

El ideal de unidad para la Península rompe también en su concepto de "espirítu ibérico", que fundamenta la necesidad de un intercambio cultural intelectual, entre Portugal y España, a través de la difusión compartida de ese espíritu, por medio de las literaturas respectivas. Este sería un primer paso para la aproximación de los dos pueblos, en el sentido de que ambos se conocieran mejor – al autor no le parece razonable que se conozcan mejor las letras francesas o las inglesas, que las que están próximas y que además, tienen un tronco común.

El segundo paso hacia la unión ibérica, sería la creación de un "zollverein", o unión aduanera que, en definitivo, acabaría con la rivalidad nacionalista aportada por los intereses del contrabando y que, por otra parte, traería la prosperidad económica a los pueblos, siendo cierto que, en este punto, Latino sigue la misma teoría plasmada por su amigo Sinibaldo de Mas, en La Iberia.

Considerando los supuestos anteriores, la Península debería presentarse como una sóla nación por la "fusión espontánea" de sus pueblos. Con esta idea, pretende salvaguardar los intereses de los pueblos, descartando toda la unión (o fusión), que partiera de la iniciativa de los gobiernos que, en su entender, se rigen por princípios egoístas. En la pirámide estructural del poder, una iniciativa de este estilo, debería siempre partir de los gobernados y, al gobierno, en tanto que representativo, le cumpliría nada más que poner en práctica el interés del pueblo.

En el marco del horizonte político-social reformista cuajado en sus escritos, la idea de "civilización peninsular" , que se incluye en su concepto moral de civilización, nos alzaría al papel de modelo de sociedad, si realizado el ideal iberista en la oportunidad espacio-temporal de la Península: "La civilización tiende a realizar el gran pensamiento del Cristianismo fundiendo en una sola família las ramas dispersas y rivales, aún aquellas entre las cuales reinan todavía antipatías o celos, a una gran comunión, a una gran nacionalidad, a un único pueblo: a la humanidad cristiana."

En la consideración de que su siglo "es el siglo del tránsito de las nacionalidades a la humanidad", tal como el siglo XV había sido el siglo del tránsito del feudalismo a las nacionalidades, el proyeto de fraternidad cosmopolita y ecumenista de Latino podría realizarse en la Península, dados los orígenes y valores comunes que reclama para sus pueblos. La unión peninsular, tal y como la presenta, brota como el bien, un bien alcanzable que se orienta hacia un Bien universal, en el que caben todos los pueblos como verdadero sentido de Humanidad.


El iberismo latiniano

En la idea de Iberia que Latino Coelho trata de difundir, caben tres principios: el de una radical comunidad espiritual, determinada por los idiomas de etimología común y por la identidad religiosa, el de una identidad racial y el de una geografía igualmente común, que los intereses políticos y tan sólo éstos, apartaron, causando la lejanía y la desconfianza entre los pueblos ibéricos y, consecuentemente, el enfraquecimiento de cada uno de los dos países.


La identidad originaria y la identidad coyuntural interna y externa de ambos, imponía una solución común y compartida, consignada en lo que se entiende como patria común y basada en los principios de una federación de los pueblos y en el gobierno democrático de forma republicana, considerado el único capaz de respectar los valores de la igualdad entre ciudadanos, y de la justicia. En la raíz de esta federación republicana estaría la "adhesión espontánea" de los pueblos, que pasa por todo un proceso de divulgación y aclaramiento de la idea misma de Iberia.

El alfa y el omega de su doctrina iberista se prenden con una búsqueda de solución del equilibrio de naciones, fundado en el derecho internacional y en total respecto por las particularidades de cada nación.


El pensamiento latiniano revela algunos huecos, como sean la imprecisión en cuanto a lo que toca a la idea de unión ibérica - a veces habla de unión, otras de fusión -; no aclara lo que entiende por "espíritu ibérico"; identifica Estado, nación y pueblo, lo que entra en conflicto con sus mismas ideas sobre las fronteras políticas y sobre el concepto de patria.

De igual modo, nos enfrentamos a conceptos reductores de "civilización" y de "hominidad", que entran en contradición con los principios de igualdad, de fraternidad y de universalidad, que él mismo postula: al fin y al cabo, "civilizado" viene dado como sinónimo de europeo blanco y cristiano, y civilización, como signo de Europa.

Asímismo, la falta de sistematicidad en sus escritos no invalida la relevancia de Latino Coelho en las Letras Portuguesas, y como pensador precursor de los doctrinários de la Generación de 70, y particularmente, como iberista del siglo XIX.

Su ideal ibérico tiene como postulado fundamental la unión de los pueblos ibéricos con el objetivo de alcanzar el progreso y romper en el concierto de naciones como sociedad del futuro. Para que la Península se constituyera un proyeto de unidad, el autor postula las condiciones sine qua non de lo que puede considerarse una radical idea de Kairos y que cabe en el horizonte más vasto de su idea del futuro de Europa.

Sín embargo, dotado de una extraordinaria capacidad de visión del futuro y de análisis del presente, Latino Coelho conocía rigorosamente la actualidad y la oportunidad para la realización de este ideal, al igual que sus corresponsales y amigos pro-iberistas, como Emílio Castelar, cuyas palabras transcribimos:

"La republica federal con que nosotros habíamos soñado no es hoy posible. La educación de nuestro pueblo, la incapacidad de nuestros municípios, la exaltación misma del partido republicano(…) el estado de los ánimos no la consienten.(…) La política es ciencia y arte; la política es ideal y realidad; la política debe atender a todos los tiempos y al tiempo presente. No se puede romper la serie, no se puede adelantar la evolución social." (Carta a Latino Coelho, del 18 de abril de 1874).

María Monteiro
* Ponencia en las VII Jornadas de Hispanismo Filosófico, Santander, abril de 2000.




EL «BARCO DEL ABORTO»

EL Gobierno portugués ha denegado el permiso para atracar en el puerto de Figueira da Foz al conocido como «barco del aborto». El buque, una especie de clínica ginecológica flotante, se dedica a practicar abortos en aguas jurisdiccionales internacionales, especialmente a mujeres cuyos países de origen proscriben o ponen trabas legales a la práctica del aborto voluntario. Al hacerlo, el Ejecutivo luso, al que le asiste toda la razón jurídica, cumple con su obligación de aplicar el Derecho. Se trata de una cuestión de estricta legalidad y de defensa del respeto debido a su propio marco jurídico. El barco iba a incitar a la comisión de actos contrarios a la legalidad portuguesa, además por parte de ciudadanas de su propio país, y el Gobierno no puede aceptar que terceros entren en su territorio para violar sus leyes. Los argumentos aducidos por las organizaciones fletantes del buque carecen de toda validez jurídica. No es suficiente la posesión de la documentación en orden en el país de origen, Holanda, ni la existencia de precedentes, ni es pertinente la invocación de las normas de la Unión Europea e internacionales sobre la libertad del comercio. En todo lo que no dependa del Derecho europeo, como es el caso de la legislación penal, rigen las normas de los Estados miembros. Si el objeto de la empresa, como es notorio en este caso, atenta contra la legislación portuguesa, a las autoridades no les cabe otra opción que la adoptada: impedir el atraque del buque. Es la misma solución que habría que tomar ante cualquier otra forma de tráfico ilegal. La libertad de comercio no puede servir de amparo a la transgresión de las leyes nacionales. (ABC)


Clarividencia, Integridad y Honestidad.


Imagen de un país progresista y humanista




Imagen de un país retrasado y salvaje


sábado, agosto 28, 2004

Unidad Nacional


Liquidar la «unidad nacional»

Hace tiempo que a los teóricos de la cosa española se les ve preocupados. Angustiados, incluso, ante lo que entienden como devaneos insensatos del Gobierno que nació a costa de un atentado y se alimentó de la leche envenenada del catalanismo de Maragall. Así se entiende que “El Mundo” se haya embarcado ahora en la ingrata tarea de la regeneración nacional en base a entrevistas con historiadores que pretenden demostrar que España es una y no cincuenta y una. Y, más en concreto, que los nacionalismos vasco y catalán no tienen más razón de ser que la fe ciega en las palabras de un alucinado. En el caso vasco, al menos.

Será por eso que ayer titulaban en primera: «Siete historiadores ante el gran debate. Stanley Payne: ŒNo hay un invento histórico más claro que el vasquismo’». Y si se ponen así en la portada no se extrañen que el tal Payne revele en páginas interiores que el abertzalismo «fue realmente un invento sobre la nada, una serie de relatos sobre supuestas batallas de las que no hay constancia. En toda la Europa contemporánea y en cuestiones de nacionalismo, no ha habido un caso más claro y neto de invento historiográfico que el del vasquismo. Casi bate todos los records». Y nadie parece plantearse qué pinta el hispanista Payne en un debate sobre la realidad vasca y la española y la francesa. A Pedro J. le encantaría titular otra entrevista aún más rimbombante: «El vascuence se lo inventó Barandiaran». O algo así.

Pero a pesar de tanta arrogancia, la angustia se vislumbra detrás de cada opinión de sus más doctos elementos. Aleix Vidal Quadras, en “La Razón”, se quejaba de la propuesta de veto autonómico en el Senado español porque «ha añadido otro elemento de incertidumbre a la polémica generada desde que José Luis Rodríguez Zapatero anunciara sus intenciones de abrir el melón de la Carta Magna». Ahí está la clave del problema, sin duda. Porque ese melón, una vez abierto no se puede recomponer y devolver al escaparate. Por eso Vidal Quadras y el resto de los paladines del nacionalismo español alzan la voz y protestan porque esos coqueteos de Zapatero «demuestran que el Gobierno no entiende lo que se trae entre manos y es incapaz de calibrar la gravedad de un tema en el que nos jugamos nada menos que la estabilidad y la viabilidad de nuestra convivencia». Y mientras tanto, «determinados partidos insisten en proclamar sus intenciones disgregadoras exhibiendo sin disimulo algunos proyectos independentistas liquidadores de la unidad nacional». A esos me apunto. - msoroagara.net


¿Quién ha dicho que la ETA está muerta?


Un artefecto de escasa potencia explota en Santiago tras una llamada en nombre de ETA

La policía localiza otra bomba cerca del puerto de A Coruña horas después del aviso terrorista.
Un artefacto de poca potencia ha hecho explosión a mediodía de hoy en Santiago de Compostela después de que una llamada al diario Gara en nombre de ETA alertara de la colocación de sendas bombas en esta ciudad y en A Coruña. La policía tuvo tiempo de acordonar el área donde explotó la bomba, por lo que no se produjeron heridos. Horas más tarde, los agentes han localizado otro artefacto en el puerto de A Coruña.
(El País)

Travar o golpe de Estado sobre a justiça independente


Por várias vezes denunciámos aqui as intoleráveis ligações que existem em Espanha entre o sistema político e o sistema judicial; a actuação de certos magistrados como Baltazar Garzón que em muito casos se comporta como um agente governamental; o anquilosado sistema penal espanhol que repugna à mais humanistas doutrinas sobre as finalidades das penas; às práticas sistemáticas de tortura policial e prisional que ocorrem em Espanha; às sucessivas violações dos mais elementares direitos humanos perpetrados pelas autoridades espanholistas como o tem reconhecido insuspeitas organizações internacionais como a Amnistia Internacional.

Mas por razões de coerência e de amor à verdade não podemos ignorar e muito menos esconder os atentados que nos últimos anos estão a ser cometidos contra o Estado de Direito Democrático em Portugal porque alguns juízes ousaram investigar e acusar certas personalidade da vida pública portuguesa que se julgavam intocáveis pelas funções que exercem ou pelo conhecimento de que gozam na comunicação social.

Assim, a nossa consciência impõe que juntemos a nossa voz à campanha que o autor Do Portugal Profundo está a fazer para Travar o golpe de Estado sobre a justiça independente.


sexta-feira, agosto 27, 2004

Portugal-Espanha




No dia em que Portugal eliminou a Espanha do Euro 2004, recebemos a seguinte mensagem, devidamente assinada, ainda que ocultemos aqui o seu autor:


OBRIGADO, PORTUGAL

Desde Andalucía, Nación ocupada por el estado español, queremos felicitar a la Selección Nacional de Portugal por su pase a la siguiente ronda de EUROCOPA 2004 y, al mismo tiempo, dejar fuera de la misma a la Selección Española.

ANDALUCÍA CON PORTUGAL

Podéis ver más mensajes de adhesión en el foro de www.revandalus.tk

VIVA ANDALUCIA LIBRE Y SOBERANA!! INDEPENDENCIA.

ESPEREMOS PRONTO UN PARTIDO ANDALUCIA-PORTUGAL




"Criatividade" empresarial

BBVA multado por «enganar» aforradores

O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) foi ontem condenado a pagar 18 668 euros aos seus clientes, pela venda de produtos de alto risco «disfarçados» de depósitos a prazo, lesando cerca de 60 mil pessoas em Espanha, revelou ontem o CincoDías.com. A informação foi divulgada em Palma de Maiorca pela Asociación de Usuarios de Servicios Bancarios (Ausbanc), organismo espanhol de defesa do consumidor de produtos financeiros, que apresentou várias queixas em tribunal e que viu agora um juiz de Palma condenar o grupo financeiro. Segundo explicou em conferência de imprensa Carlos Hernández, delegado da Ausbanc naquelas ilhas, o BBVA emitia contratos financeiros atípicos, sob designação enganosa de depósitos, resultando em prejuízos de 15 672 euros para os clientes afectados.

Os contratos financeiros atípicos (produtos estruturados, na designação portuguesa) são produtos de poupança em que o cliente coloca o dinheiro na entidade bancária e esta compromete-se a devolver a aplicação, dependendo da evolução da cotação de determinadas acções ou de um índice bolsista. A Ausbanc denunciou ainda que os contratos eram apresentados com a aparência de um depósito de elevada remuneração sem risco, quando na realidade se tratava de produtos de alto risco, sem capital garantido. Assegurou ainda que estas aplicações eram colocadas junto de pessoas de mais idade.

Segundo os dados da Ausbanc, o BBVA captou 2,9 mil milhões de euros com estes produtos, o Banesto 2,3 mil milhões, o grupo Santander 829 milhões e a Ibercaja 440 milhões. (D.N.)


Post script: Se em Portugal as autoridades de supervisão financeira investigassem também o Santander, não faltaria "criatividade" para encontrar... Mas a Espanha é "amiga" e tem "braços longos" e os clientes portugueses do ex-Totta parece que não se importam de ser ludibriados...




quinta-feira, agosto 26, 2004

Entre os melhores



Prémios da UEFA relativos à época 2003/2004






quarta-feira, agosto 25, 2004

Catarina Furtado


No dia do seu aniversário, fica-nos bem lembrar um dos melhores exemplares da mulher portuguesa.



E até deixamos aqui a galeria de fotos feita por um admirador espanhol.


Teste à ibericidade


Alguns "portugueses" de "bem" passaram a achar muito elegante dizer que em primeiro lugar são portugueses, depois ibéricos e finalmente europeus. Claro que Saramago se declara primeiro ibérico e só depois português. E há ainda uns pobres de espírito que preferem dizer que são apenas cidadãos do Mundo...

Hoje, estiveram frente a frente uma equipa de Espanha e outra do Brasil, disputando a medalha de Ouro em Voley de Praia.

Aos tais "portugueses" ibéricos e europeístas sugiro um teste à sua verdadeira identidade. Estiveram a "torcer" pelo irmão Brasil ou pelo vizinho espanhol? Pela equipa ibérica e europeia ou pela irmã brasileira da América do Sul? Pela resposta verão até onde chega realmente a sua ibericidade e europeísmo.

Este modesto escriba que é apenas português de Angola em primeiro, em segundo e em terceiro lugar até ao infinito..., defensor da constituição de uma Comunidade de Estados de Língua Portuguesa, que terá de ir da Galiza até Timor passando pelas Terras de Santa Cruz, já se vê por quem "torceu"...






Ousar lutar, ousar vencer

25 de Agosto de 1580. Passa hoje mais um aniversário da Batalha de Alcântara.

Quando os grandes do Reino - nobres, clérigos e burgueses - se haviam posto ao lado de Filipe II de Espanha, ele, D. António, Prior do Crato, quase só servido pela gente humilde do Povo que o aclamara Rei, ousou lutar contra o mais poderoso monarca da Europa, para defender a Pátria em que nasceu e preservar a Independência do seu País.

Perdeu contra o mais forte. Ganhou a dignidade de quem é indefectível combatente pela sua Nação. Fica eternamente na memória dos que amam Portugal!






Nasceu em Lisboa, filho de uma mulher do povo e do infante D. Luís.
Seu pai desejava que ele seguisse a vida eclesiástica e a sua educação processou-se em sucessivos mosteiros e colégios religiosos, tendo tido por mestres o grande humanista Fr. Diogo de Murça, o padre Simão Rodrigues de Azevedo, o teólogo Pedro MargaIho a D. Frei Bartolomeu dos Mártires.
Com a morte de seu pai decide romper com a carreira que lhe tinha sido imposta. Já prior do Crato e com as ordens de diácono, recusa a ordenação de presbítero e comporta-se como pessoa secular. Por esse motivo, seu tio o cardeal D. Henrique manifesta-lhe um ódio declarado, o que o leva a exilar-se em Castela, em várias ocasiões, durante a menoridade de D. Sebastião. Com a subida ao trono deste monarca e gozando da sua estima, D. António desempenha o cargo de governador de Tânger.
Obtém, então, dispensa do papel das ordens de diácono. Toma parte na batalha de Alcácer-Quibir e é feito prisioneiro. Resgatado, regressa a Lisboa para chefiar um dos partidos nacionais que se opunham à candidatura de Filipe II ao trono português. O prior do Crato baseava a sua candidatura na situação de filho legitimado do infante D. Luís, segundo filho de D. Manuel, uma vez que não havia descendentes directos de D. João III. Era necessário, todavia, provar o matrimónio secreto de seus pais. Organiza-se um processo a D. António obtém uma sentença favorável, mas a actuação pessoal do cardeal-rei, que contesta aquela decisão, culmina numa nova sentença desfavorável.
Com a morte do cardeal, as tropas filipinas entram em Portugal. Os partidários do prior do Crato aclamam-no rei em Santarém; Lisboa e Setúbal recebem-no vibrantemente e, em breve, quase todos os burgos do reino alinham a seu lado. Mas, não dispondo de exército organizado, nem de recursos, é derrotado na batalha de Alcântara pelo exército castelhano. Consegue fugir com dificuldade para o estrangeiro onde, nas cortes de França a de Inglaterra, procura obter auxílio para lutar contra Filipe II.
Duas esquadras francesas enviadas à Ilha Terceira são derrotadas sucessivamente pelos castelhanos. A Terceira perde-se, como último bastião de D. António. Vivendo miseravelmente em França, a expensas de Catarina de Médicis resolve passar à corte de Isabel I pedindo novo auxilio. Os ingleses como represália contra o ataque da Invencível Armada, resolvem enviar a Portugal uma esquadra, comandada por Drake. D. António desembarca em Peniche mas sofre novo desaire. Regressa a França e, depois de ter conseguido um novo auxílio de Henrique IV, morre em Paris de uma crise de uremia, sem realizar o projecto por que tanto lutou.

(ArqNet)


25 de Agosto de 1988

Parece que foi ontem...

No centro de Lisboa, o Chiado, estava a arder...





Fraga


A história de Fraga Iribarne faz inteiramente juz ao prenome que tem. A sua longevidade biológica e política fez dele um autêntico rochedo do franquismo e do espanholismo em terras da Galiza, uma fraga irremovível, para muitos há tempo demasiado na Junta da Galiza. Mas, para ele e para o seu partido parece que ainda não há tempo suficiente, a avaliar pela sua disponibilidade pessoal e do PP para se candidatar a um novo mandato...

Apesar da sua vergonhosa ligação ao regime franquista; não obstante a lógica caciquista em que alicerça o exercício do poder e as vitórias eleitorais que tem obtido; mau grado representar na Galiza a perpetuação de um imperialismo castelhanizante que destrói a Nação galega, permanece impavidamente no poder, adiando indeterminadamente a esperança do nacionalismo galego que vê no seu desaparecimento uma oportunidade de afirmação e o sonho de interromper a dissolução espanholista a que a Galiza tem sido sujeita ao longo de séculos, inclusivamente durante a suposta democracia pós-franquista.

A continuação de Fraga à frente da Junta é de tal modo bizarra que podemos ler em dois jornais de conotações políticas opostas, um pró e outro antigovernamental, dois artigos de acirrada crítica à possibilidade de o "velho" companheiro de Franco continuar a imperar nas terras a norte do Minho .




¿No Hay Quién le diga a Fraga que se retire?

QUE Manuel Fraga es un "caballo ganador" en Galicia no se puede discutir. Pero que su vigor físico y su aliento psicológico no responden ya a las exigencias del cargo es igualmente evidente. Que el actual presidente de la Xunta tiene derecho a presentarse a una quinta elección aunque tenga 82 años es innegable. Pero que haya ganado las cuatro anteriores no explica que el partido al que pertenece no tenga un candidato de recambio con posibilidades de éxito. Que Fraga ha contribuido a la implantación de la democracia en España es, en fin, innegable. Pero que no se haya encontrado para él un retiro digno de sus servicios al Estado, a Galicia y al Partido Popular sin necesidad de que se inmole en el ejercicio del poder autonómico no tiene fácil explicación.

Fraga le ha dicho ayer a Rajoy que se encuentra con fuerzas para optar a un quinto mandato. Y aunque eludió astutamente una respuesta afirmativa a la pregunta sobre su decisión de presentarse, diciendo que no ha llegado el momento de tocar ese asunto, recibió el respaldo del secretario general del PP quien dijo a un periodista, con la misma sutileza, que Fraga "ha ganado cuatro veces las elecciones y ha tenido cuatro veces el respaldo mayoritario de los ciudadanos de Galicia. No sé si le parecerá a usted un buen candidato, pero desde luego a los gallegos sí y yo soy gallego". Lo de menos es si el mantenimiento de la incógnita esconde una estrategia de despiste. Lo importante es que parecen importar más las garantías de conservar aquella autonomía en manos populares, ante la tormenta de reformas constitucionales que se nos viene encima, que la confirmación del propósito de renovación anunciado por el máximo dirigente del PP. Con lo que Rajoy va a afrontar el Congreso de su partido sin haberse atrevido a hacer algo que ayudaría mucho a su liderazgo: romper, con el debido respeto, el cordón umbilical con Aznar y con el patriarca.

Lius Igracio Parada
ABC
24/08/2004



Fraga, reincidente

Manuel Fraga está a punto de dejar de nuevo en ridículo a cuantos le tomaron al pie de la letra cuando dijo que no volvería a ser candidato a la presidencia de la Xunta de Galicia. La primera vez que lo dijo fue hace unos diez años, en su segunda legislatura, y lo repitió luego tras las victorias de 1997 y 2001. En todas las ocasiones hubo la misma desescalada desde la negativa rotunda a repetir "y punto" hasta el "estoy disponible", puntos suspensivos.

El lunes, tras una entrevista con Mariano Rajoy, ambos dijeron las palabras necesarias para que todo el mundo interpretase que en las autonómicas de otoño de 2005 (si no se adelantan) el candidato volverá a ser Fraga. Como es natural, ya sabe que se le dirigirán sarcasmos por su perseverancia en el cambio de opinión; si persiste en ello es porque personalmente prefiere eso a abandonar el cargo, y porque cuenta con la coartada de que así evita pugnas sucesorias que podrían costar a su partido la mayoría que necesita.

La edad no es un argumento absoluto, y los rivales que fueron por ese camino en las anteriores autonómicas, invocando la salud y otros detalles, se encontraron con una nueva mayoría absoluta, reforzada por el voto de despedida (y afecto) a don Manuel de muchos de sus paisanos. No es un argumento la edad porque el propio Fraga es mejor ahora que cuando tenía 40 años. El reproche no puede ser que se presente con casi 83 -dos menos de los que tenía Konrad Adenauer la última vez que fue reelegido canciller, en 1961-, sino que no haya hecho honor a su palabra. También tenía cerca de 80 años De Gaulle cuando, en 1969, dimitió, como había prometido, tras un resultado que consideró insatisfactorio en el referéndum sobre la regionalización que había convocado.

Si vuelve a ser candidato, será la quinta vez consecutiva, lo que no acaba de encajar con la pauta que aspiraba a establecer Aznar al renunciar a permanecer más de dos mandatos seguidos. De todas formas, era una pauta pensada para la hipótesis de una victoria segura de Rajoy, el sucesor designado. Tal vez la derrota haga relativizar ese criterio, lo que sería lamentable. En todo caso, no rige para el presidente fundador del Partido Popular, cuya decisión, sea la que fuere, nadie se anima a cuestionar.

Ahora, tras los resultados del 14-M, con más motivo: el PP fue de nuevo el partido más votado en Galicia, pero la distancia se redujo de los 500.000 votos en 2000 a 158.000. Y, sin posibilidad de contar con aliados, al PP sólo le vale la mayoría absoluta. Algunas encuestas dicen que únicamente la alcanzaría con Fraga de candidato. Otras encuestas no lo confirman, pero la mera hipótesis es suficiente argumento para interpretar con criterio amplio la segunda de sus razones para no continuar, tal como las expresó en mayo de 2002: "Por razones de edad, y de conveniencia del PP".

El País

25/08/2004



terça-feira, agosto 24, 2004

Exemplo


Mais do que a medalha - brilhantemente ganha e merecida - que nos fique o exemplo, como Povo e como Cidadãos: é possível partir de trás e chegar até à frente, junto com os melhores!...




O atleta português Rui Silva conquistou a medalha de bronze na final masculina dos 1.500 metros dos Jogos Olímpicos de Atenas2004, com o tempo de 3.34,68 minutos, numa corrida ganha pelo marroquino Hicham El Guerrouj (3.34,18).


A medalha de prata foi conquistada pelo queniano Bernard Lagat, com o tempo de 3.34,39.

Esta é a terceira medalha conquistada por Portugal nos Jogos Olímpicos de Atenas2004, depois da prata de Sérgio Paulinho, na prova de estrada de ciclismo, e de Francis Obikwelu, nos 100 metros.

CC/NF.


Gibraltar, o século XXI e a ameaça espanhola

Jim Allister, do Partido Democrático Unionista, lançou hoje um forte apelo ao Governo espanhol, para que renuncie às suas ambições territoriais sobre Gibraltar.

“É absurdo que, em pleno século XXI, na Europa do pós-guerra, o povo de Gibraltar tenha de viver em estado de incerteza, quanto à sua posição constitucional. Em termos culturais, linguísticos e políticos, Gibraltar é britânico e não pretende ser integrado no estado espanhol.

Os gibraltinos votaram para o Parlamento Europeu, como região da Europa, e, num recente referendo, 99% votaram contra qualquer tipo de soberania partilhada com a Espanha.”

“No mundo moderno, as ambições territoriais de Madrid já não têm cabimento.
Se a Espanha e a França convivem com Andorra, se a Áustria e a Suíça reconhecem o estatuto do Liechtenstein, porque não deixam Gibraltar em paz?”

Os espanhóis acusam a Grã-Bretanha de colonialismo, mas enviaram uma força de intervenção para Perijil – Lembra Allister.


in www.panorama.gi



This page is powered by Blogger. Isn't yours?